Deserto do Atacama – Chile

INFORMAÇÕES DE: Novembro de 2011.
ROTEIRO PARA: 4 dia.
TIPO DE VIAGEM: Bate e volta de Santiago.
HOSPEDAGEM: Hostal Florida (R$ 50,00/dia). Valor para quarto compartilhado para 4 pessoas. Em relação ao hostel achei bem simples, mas bem localizado.

Aproveite e reserve seu hotel aqui com o Quero Mochilar.

SOBRE O DESERTO DO ATACAMA

O Deserto mais alto e árido do mundo fica na região norte do Chile já próximo a fronteira da Bolívia. As chuvas não chegam aqui por causa das correntes marítimas do Oceano Pacífico que não chegam ao deserto devido sua altitude. Por ser seco, aqui é o melhor lugar do mundo para se observar o céu, sendo procurado por muitos cientistas.
O Atacama é um lugar de extremos com temperaturas variando entre 0ºC à 40 ºC no mesmo dia. Com poucas vilas e cidades na região, a porta de entrada mais conhecida para desbravar este lugar é a pequena San Pedro do Atacama, um oásis no meio do deserto a 2.400 metros de altitude e com população aproximada de 3 mil habitantes.
E você pode pensar, igual já ouvi por ai, o que você vai fazer em um deserto???
Ahh, meu amigo, te dou minha palavra, sem sombra de dúvida esta foi um dos lugares mais incríveis que já conheci e não é atoa que esta na rota de todo aventureiro.

Como chegar?

Há várias formas de chegar, mas a mais fácil e cômoda é de avião descendo no aeroporto de Calama. Os voos sempre farão escala em Santiago e vale a pena quando for pesquisar comprar passagem direto pelas empresas em Santiago, pois sai bem mais barato na maioria das vezes.
Duas empresas fazem voos para Calama, LAN e SKY.

Quando ir?

As estações do ano no Atacama são no mesmo momento que as brasileiras, ou seja, verão aqui é lá também.
A melhor época na verdade depende do objetivo da sua viagem. Muitos indicam a melhor época como a primavera (setembro a novembro) e outono (março a maio) por conta do clima, pois nesta época a temperatura não varia tanto, não chegando a extremos de frio e calor e os passeios ficam mais fáceis, além de ser possível subir nos vulcões, mas pode ser que seu objetivo é ver o deserto com neve, então terá que ir entre junho e agosto.

ROTEIRO

Dia 01: Chegada a San Pedro.

Fui na doideira para o Atacama, sem planejar nada, totalmente na sorte.
Como estava fazendo um curso de espanhol em Santiago e teria um fim de semana prolongado pensei: Vou aproveitar para dar um esticada e conhecer algo legal no Chile, e escolhi o Atacama.
Pesquisei passagem aérea, com conselho do professor, comprei por uma empresa chilena, que saiu mais barato e fui na semana mesmo pela LAN, paguei em torno de R$ 700 (comprei em cima da hora).

Quando eu Pesquisava por sites não estava encontrando Hostel ou hotéis com preços que eu considerava bom, então resolvi não reservar e arriscar e procurar um lugar para ficar quando chegasse lá.

Peguei meu voo em uma quinta feira de manhã e logo cedo parti de Santiago ruma a Calama.
O voo para mim foi um tour a parte, sério, dá um jeito de ir na janela, a visão da cordilheira dos andes do alto é incrível. Fui observando ela o tempo todo, e ficando cada vez mais encantado com tudo que via.

1
Foto: Olha isso. Não é incrível???

2
Foto: Tem como não ficar deslumbrado com uma paisagem desta?

3
Foto: As fotos foram muitas pelo caminho.

4
Foto: Até lagos formado pelo desgelo vemos pelo caminho.

Duas horas depois cheguei em Calama. Quando desci já dava para observar que quase 100% do pessoal do voo estava indo para o Atacama e de translado. Então bateu aquela vontade de ir de Translado, sai lá fora tentei vários, mas todos cheio. Nas minhas pesquisas eu tinha visto que os hotéis e hostels oferecem serviço de translado, mas como minha grana estava curta e eu achei caro na época, resolvi economizar esta grana e ir de ônibus até San Pedro, partindo de Calama, mas chegando lá a ideia mudou, mas não teve escapatória, traslados lotados!!!! rs.

Com isso peguei um taxi rumo a rodoviária da cidade, um trajeto de 15 minutos por algo em torno de R$ 20,00. Desci na rodoviária, que por sinal é minuscula e lá fechei minha passagem até San Pedro.

Como não tinha de imediato, tive que esperar por quase 2 horas o próximo bus e com este tempo todo sai para conhecer Calama e almoçar.

A viagem para São Pedro leva em torno de duas horas, e custa de 15 a 30 reais. Quando comparei aos R$ 110,00 oferecido pelos transfer, fiquei feliz novamente, ganhei um tour de San Pedro…rs

Quando embarquei eu parecia um alienígena no meio dos chilenos (rs), todos com caras bem de nativos da América do sul e vestidos como nativos, levando de tudo dentro daquele ônibus e somente eu branquelo com roupas diferentes e embarcando.
Quando a situação nos deixa muito na cara que somos “gringos”, a gente fica com medo de assalto, e foi exatamente o que senti, mas a viagem foi tranquila, nada aconteceu, e a pessoa do meu lado ainda me instruiu para quando eu chegasse em San Pedro.
E que saber, a viagem foi o máximo, achei bem mais interessante que um transfer.

Chegando em San Pedro, saiu eu e minha mochila procurando um Hostel, e não tinha um perto do outro, fui em vários e todos lotados, eu já estava cansado e já aceitando a ideia de ter que usar o cartão de crédito (só para emergências) e ficar em um hotel/pousada mais caro, pois hotéis mais baratos também havia olhado e estavam lotado, até que parei na frente do Hostal Florida, e tinha vaga, em quarto com mais 4 caras.

Ufa!!! Não ia mais gastar uma fortuna.

5-1
Foto: A entrada do Hostal.

5
Foto: O Interior do Hostel Florida.

Acomodado no hotel, ainda era fim de tarde e tinha sol, então sai para conhecer a cidade e procurar agências de passeios. Parei logo em uma e fechei o passeio para conhecer os Geyseres el tatio no outro dia, que foi o que me levou ao Atacama.
A vendedora ainda perguntou se eu havia acabado de chegar, eu disse que sim, então ela disse que era melhor eu esperar e fazer este passeio depois de amanhã, para me adaptar melhor da altitude. Achei frescura e disse que não precisava, que eu estava bem e que queria fazer amanhã mesmo. Fechei somente este passeio neste dia (por sorte).

Dias 2: Geysers El Tatio
Valor Tour:
CL$ 13.000 (±R$65) + CL$ 5.000 (±R$25): Em torno de R$ 88.

Para ir conhecer os Geyseres temos que acordar bem cedo, as 3h30 da manhã e esperar a agência que nos busca na porta do hostel.
Estava um frio de rachar e eu só de calça jeans e uma jaqueta boa e quente, mas não o suficiente para o que vinha pela frente (não disse que fui sem planejar…rs).

A viagem é demorada, afinal são 90 km em estrada de terra e de ônibus, e pelo menos o que eu fui não era nada confortável, e ainda tinha pequenas aberturas por onde entrava um ar gelado que foi me matando até chegar lá (São aproximadamente 2 horas de viagem).

11
Foto: Enfim a mais de 4.000 metros de altitude! Campo geotermico. Tem experimentos para gerar energia com a água aquecida dos geyseres.

Chegando lá, adivinha??

Estava -5oC, e eu só de calça jeans, minhas pernas estava congelando.
Estava muito frio, e tinha sido o maior frio que eu já tinha pego, fiquei congelando lá, nas paradas eu mal conseguia prestar atenção nas explicações, só ficava tentando aquecer minhas mãos (sem luva) e esconder meu nariz….rs. O pior era ver os ingleses e os finlandeses de bermuda.

10
Foto: A minha roupa desapropriada!!!…rs

Este é o terceiro maior campo de gêiseres do mundo e o mais alto, a 4.200 metros de altitude, por isso tão frio em qualquer época do ano.

Após as explicações sai para explorar o lugar, que é todo demarcado para mostrar onde é seguro caminhar, e melhor não arriscar, pois ninguém quer correr o risco de cair em uma água fervente e morrer cozido.

O Lugar é fantástico e ver o sol nascer daqui mais fantástico ainda. O tour todo leva em torno de 2 a 3 horas. Há também um café da manhã oferecido pela agência com chá de coca, muito bom para os males de altitude.

12
Foto: Chegando no lugar.

13-1
Foto: Olha o sol nascendo, que espetáculo.

13
Foto: Mascando as folinhas de coca para não sentir os efeitos da altitude (Não adiantou! rs).

14
Foto: Estava com um machucado na mão e acredita que ele chegou a abrir de frio e não parava de sangrar.

15
Foto: Um dos Geyseres em ação.

16
Foto: Esquentando as mãos, essencial…rs!

17
Foto: Admirado com toda esta maravilha de lugar!!!

18
Foto: Os Geyseres quando “morrem” sobra só isso aqui.

19
Foto: Maravilha!!!

20
Foto: Estão vendo estas pedrinhas demarcando um limite, então respeite-as, são para sua segurança.

21
Foto: A água sai dos Geysers a 86°C formando enormes cortinas de fumaça de até 12 metros de altura, é incrivel ou não é???.

22
Foto: O café da manhã oferecido pela agência.

23
Foto: um dos moradores locais, a espreita de uma sobra do café dos turistas.

24
Foto: Uma panorâmica com a piscina termal.

25
Foto: Piscina termal (Termas del Tatio). É possível entrar, por tanto, vá com roupa de banho e toalha, dá para nadar por meia hora e há vestiários. O duro será sair… eu sem planejar, não levei nada…rs.

26
Foto: Água fervendo por todo lado!

27
Foto: Olha o fumaceiro!!

28
Foto: Um tchau deste lugar incrível!!! Recomendo demais…

Video: Um Geyser funcionando a todo vapor, literalmente!! Fantástico!!

Depois desta manhã incrível, a volta já de dia é outro passeio a parte, onde vamos observando a paisagem super diferente para nós brasileiro e ainda os animais da região.

29
Foto: Vicuñas selvagens, o passeio se torna um safari durante o dia.

30
Foto: Foram muitas pelo caminho, você verá também, não tenha dúvida!

Ainda há uma parada em um povoado chamado Machuca, pelo que entendi todas as agências fazem esta pausa. Aqui se quiser é possível comer um espetinho de Llama, e será o mais barato que vai achar em San Pedro.

33-2
Foto: Chegando ao povoado Machuca.

33
Foto: O povoado ao fundo.

34
Foto: No Alto da vila há uma igreja super charmosa para você tirar fotos. Vá até lá!

35
Foto: Queria tirar foto com elas, mas só pagando, esse foi meu jeitinho de registrar povo (janela do bus)…rs

Saindo daqui o caminho de volta é feito quase todo contornando o Rio Putana, e como a paisagem é incrível há outra parada em um ponto estratégico que rende belas imagens, onde também podemos observar aves como flamingos e patos.

31
Foto: A terceira parada do dia!

32
Foto: Show de bola este lugar!

33-1
Foto: Parece até um quadro, mas é só o Atacama.

31-1
Foto: Flamingos selvagens também no rio putana.

Ainda no caminho de volta comecei a sentir náusea e ficar meio zonzo, mas achei que não era nada. Estava todo animado, pois como ficaria na cidade por mais 2 dias tinha que aproveitar ao máximo, mas chegando em San Pedro o mal da altitude me pegou de jeito, então descobri que era isso que a vendedora do passeio queria me dizer.

Como eu nunca tinha estado em um lugar tão alto, não sabia que eu passava mal com isso…rs. Passei muito mal, mas muito mesmo, fiquei deitado por horas na cama do hostel, pois não consegui sair para procurar outro passeio para a parte da tarde.
Acabei perdendo esta tarde e tendo que fechar a programação somente no dia seguinte.

Dia 03: Laguna Cejar, Ojos del Salar e Laguna Tebinquinche.
Valor do Tour: CL$ 30.000 – Aproximadamente R$ 147,00

No meu segundo dia aproveitei a parte da manhã para fechar meus próximos passeios, para este dia e o próximo. Acabei que não consegui nada que se encaixasse para fazer na parte da manhã e não estava com grana para fazer muitos passeios.

Resolvi fazer o tour da tarde com 3 atrações.

Do local combinado com a agência parti às 16:00 rumo a Laguna Cejar, um lugar superinteressante no meio do deserto. O trajeto até a lagoa é bem rápido, e dura cerca de meia hora para fazer os 25 km.

Nesta lagoa você pode ter uma experiência parecida com nadar no mar morto, a concentração de sal aqui é maior que a de lá, chegando a 80%, ou seja, você vai nadar sem afundar. Muito interessante, e vale a pena ir preparado para entrar na água, além do fato de ser uma lagoa rasa e tranquila para banho. Você não vai perder esta experiência pelo fato da água ser um pouquinho gelada, né?

36
Foto: Chegando na Laguna Cejar.

37-1
Foto: O queijão de minas entrando na água… rs.

É cômico, você e todo mundo ficar tentando afundar, mas não ligue para o mico, afinal você esta lá dentro para experimentar algo novo. Be happy!!!
No banho, evite molhar o rosto e olhos, pois pela concentração de sal ser grande poderá ter incômodos.

37
Foto: E não é que bóia mesmo… demais!!!!

Quando saí da água então puder perceber o quão alta é a concentração de sal que existe ali. Eu estava parecendo engessado, de tanto sal pelo corpo. Não foi atoa que a agência levou garrafas pet com água para lavarmos o corpo, nesta época que fui foi assim, hoje sei que existem chuveiros de água doce para tirar o sal do corpo.
Além desta experiência incrível você estará de frente a paisagens super exóticas, que renderão belas fotos.

38
Foto: Paisagens fantásticas de frente a lagoa.

De volta ao bus, seguimos rumo a próxima parada: Os Ojos del Salar.

43
Foto: Excursões rumo as atrações.

Este lugar são dois buracos no meio do deserto com água onde é possível mergulhar, ou entrar saltando, como a maioria faz. Até hoje não sei falar por que não entrei aqui, ou melhor pulei…rs.

Cuidado e não se empolgue, pois ao contrário da laguna anterior aqui o corpo afunda e o buraco é bem fundo! Só entre se souber nadar.

Não me recordo ao certo o porque dos buracos, mas não são naturais, foram criados para extração de algo, mas o que acharam foi água, então abandonados viraram duas belas “lagoas” no meio do nada.

39
Foto: De frente para un dos buracos.

40
Foto: Um lugar exótico no meio do nada.

41
Foto: Várias excursões chegam aqui ao mesmo tempo, mas don´t worry, tem buraco para todo mundo.

42-1
Foto: Só na beradinha… pena que não entrei. Fui mané demais.

42
Foto: Isso sim é um deserto…

Depois de mais este lugar interessante na lista fomos agora para o ponto final, para ver o belo e famoso por do sol do Atacama na Laguna Tebinquinche.

Eu achei este lugar fantástico, um dos mais belos do Atacama. Dependendo a época do ano, pode estar seco e não ser tão interessante, mas quando eu fui estava com água e refletia o céu e era lindo demais.

A concentração de sal aqui também é muito grande e parece até gelo. Dizem que este lugar lembra um pouco o Yuni, na Bolívia.

44
Foto: Olha isso!! Não, isso não é gelo! É tudo sal!

45
Foto: Admirando este lugar incrível.

46
Foto: É muito sal para um lugar só.

47
Foto: Show este lugar!

48
Foto: Feliz demais este dia!

49
Foto: Uma selfie com o sal….rs!

No fim da tarde a agência serviu um lanche e pisco para todos. Eu já tinha tomado um monte de pisco sour em Santiago, que é uma bebida tradicional no Chile (seria a pinga deles), mas como bom pingaiada não recusei mais um…rs.

Logo o espetáculo começou, encerrando mais um dia incrível com um visual fantástico no meio do deserto.
Sem sol, o friozinho começou a bater.

51
Foto: Um brinde de pisco a esta maravilha!

52
Foto: Que Magnífico, um dos tops por do sol na minha lista!

50
Foto: Um dia para ficar na memória ara sempre.

Saimos daqui já sem sol e com o céu mais lindo do mundo cheio de estrelas. Sério, o céu do Atacama é incrível e indescritível.
Capotei no bus e cheguei em San Pedro só querendo duas coisas banho e cama!

Dia 04 – A cidade e o Vale da Lua e Morte.

Valor Tour Vales: CL$ 10.000 – Aproximadamente R$ 50,00

Sem dinheiro para muitos tours, aproveitei esta manhã para explorar com calma San Pedro de Atacama, e esta pequena vila no meio do deserto merece este tempo.

San Pedro é uma cidade muito charmosa, toda rústica, com ruas de terras, casinhas de barro (adobe, tijolo feito de terra), linda de se ver, um lugar muito exótico, do jeito que gosto.

6

Foto: As charmosas ruas de San Pedro.

9-1

Foto: É possível caminhar e admirar o Vulcão Likankabur como plano de fundo.

57

Foto: Coisas de San Pedro!

Ficamos muitas vezes preocupados em só conhecer os atrativos naturais e acabamos esquecendo de explorá-la. Uma pena!

Mesmo sendo uma cidade de aproximadamente 5 mil habitantes, por ser muito turística você estará bem servido em relação a infraestrutura, pois a cidade esta repleta de agências, hospedagens e restaurantes de todos os tipos.

Um dos pontos marcantes da cidade é a sua praça principal, a Plaza de Armas, próxima a importantes pontos da cidade como a prefeitura, o posto policial, posto de saúde, centro de informações turísticas, a igreja e uma feira artesanal muito boa e cheia de coisas interessantes para se ver, mas não se anime, aqui tudo é muito caro.

7

Foto: A Plaza de armas.

8

Foto: Mais uma visão da plaza de armas de San Pedro.

Na praça sempre tem pessoas com Llamas, e por alguns trocados você pode comprar um leite e amamenta-las, também estavam tendo grupos de adolescentes tocando violão, e foi uma manhã muito agradável.

54

Foto: Uns trocadinhos e um pouco de leite para o meu novo amigo.

56

Foto: Foi engraçado isso…rs.

55

Foto: Luiz (nome da Llama), estava de bucho cheio…rs.

9

Foto: A Iglesia de San Pedro de Atacama, datada do século XVII, tem entrada gratuita. Ele, assim como quase tudo na cidade foi construída em adobe e pintada de branco. Seu teto e portas são feitos de madeira de cáctus.

Sobre Museo Arqueológico Gustavao Le Paige.

Valor entrada: $ CLP 3.000 – Aproximadamente R$ 15,00

Ainda aproveitei o tempo grande que tinha e fui conhecer Museo Arqueológico Gustavao Le Paige, e assim conheci um pouco mais dos povos deste lugar incrível.

Gustavo Le Paige era um padre belga que dedicou 35 anos de sua vida a estudos e com isso se tornou uma figura bastante conhecida e profundo conhecedor do passado dos atacameños.

58-1

Foto: Entrada do Museu.

58

Foto: O interior. É permitido fotografar tudo.

59

Foto: Um pouco do que você vai encontrar lá dentro deste museu com a história dos nativos do Atacama.

As 14h00 parti ruma a uma atração próximo a são Pedro de Atacama, mas nem por isso menos interessante, um lugar conhecido como Valle de la Luna (Vale da Lua). Este lugar faz parte da cadeia de montanhas conhecida como Cordilheira do Sal. Aqui temos paisagens de tudo quanto é forma: dunas gigantescas, formações rochosas diferentes, montanhas avermelhadas, cavernas e cânions.

Esta paisagem peculiar, esculpidas por anos pela natureza (ação do vento), dizem que lembra muito a paisagem lunar. Os céticos, que acreditam que o homem nunca pisou na lua, dizem que foi aqui que foi gravado a cena e os guias adoram lembrar este fato.

Neste terreno, grande parte do do solo é coberta pelo sal, pois antigamente aqui era um mar que se desertificou milhares de anos atrás.

Você pode pensar: “Mas só tem pedra e sal aqui, o que vou ver?”. Não se engane, pois, além de ser um dos passeios mais populares do Atacama, esta paisagem consegue mesmo sem vida ser incrível, como ira ver nas fotos.

60

Foto: Olha a delicadeza destas esculturas naturais.

61-1

Foto: São firmes e afiados, não se engane.

63

Foto: Olha isso meu irmão, que loucura!!!

61

Foto: Caminhando no vale sob um sol de rachar.

62

Foto: Quase todas estas rochas são cristais. O Guia ainda brincou, que se lavassemos tudo aqui, ficaria uma bela paisagem de cristais. Imagina, como seria lindo?

67

Foto: Em uma parte do tour, o guia coloca nos embaixo das rochas e pede para ficarmos em silêncio absoluto, assim conseguimos escutar os barulhos das pedras do teto, estalando, como se estivessem quebrando. Deu até um medo… rs.

66

Foto: Feliz da vida de estar aqui.

70

Foto: Depois deste primeiro tour, passamos por este lugar, onde falam que gravaram cenas da lua…rs! 

71

Foto: Uhuuuu to no Atacama!!!!

73 Foto: Subindo um dos mirantes.

74

Foto: Aqui do alto o vento é forte, mas a visão sensacional.

72

Foto: Este lugar é chamado de Anfiteatro. Uma formação criada pela ação do vento e água, é uma montanha de formato atípico, símbolo do local.

Cañons e Cuevas de Sal

Neste lugar as paredes das rocha estão repletas de cristais de sal que se formaram por efeito da pressão alta e ausência de umidade.

Andamos por alguns minutos neste lugar, para entender a história e foi incrível.

69

Foto: A entrada!

64

Foto: O guia nos explicou que esta parte lisa antes era chão, e que isso é resultado dos movimentos das placas tectônicas. Loucura, né?

65

Foto: Alguns obstáculos pelo caminho.

68

Foto: Entramos na caverna e o guia nos deu uma verdadeira aula sobre o omento que os espanhóis chegaram ao Atacama e dizimaram, os nativos. Ele falava com tanto ódio, que fiquei até constrangido pelos dois espanhóis do grupo…rs.

Neste mesmo tour passamos também no monumento chamado as Três Marias, nome dado por um padre Belga e o mais popular, apesar que os nativos chama esta formação de “os penitentes”. Esse monumento é composto por um conjunto de rochas formadas após um longo processo de erosão de milhão de anos. O pessoal vê figuras humanas aqui, haja imaginação, né??? Rs.

75

Foto: Amém!

76

Foto: Coisas da natureza do Atacama.

Depois nos deslocamos de van para o chamado Vale da morte. Este nome sinistro é por causa que aqui parece que ocorreu um sacrifício de muitos nativos pelos espanhóis  e foram encontrados vários restos mortais. O lugar tem um visual incrível, pena foi que a  minha máquina não era boa e a luminosidade não me permitiu uma bela foto, digna de colocar aqui.

77

Foto: A câmera não registrou a bela paisagem ao fundo no vale da morte.

78

Foto: Um pouquinho do vale da morte.

Visto o vale da morte partimos para a tradicional foto na pedra coyote para ver o por do sol, e o lugar estava lotado de vans e a disputa pela pedra foi grande, mas vale a espera.

As fotos nesta pedra sempre ficam fantásticas, pois ela é um pedaço de pedra que se estende penhasco a dentro, e há gente que fica até com medo de chegar na ponta e olhar para baixo. Ainda para dar uma emoção, olhe a rachadura…rs! Por segurança, pedem para não ir mais de duas pessoas por vez nela.

82

Foto: A pedra coyote e a rachadura que falei…rs!

80

Foto: Um belo visu daqui galera!!

79

Foto: a vista louca da Pedra Coyote.

E deste lugar incrível me despedi do Atacama com chave de ouro, pois meu quarto dia, foi somente para retornar a Santiago, novamente de bus até Calama (compre com antecedência) e depois de avião.

Meu único arrependimento, foi ter ido sem dinheiro e com pouco tempo, pois o Atacama é fantástico e merece muita atenção, mas ficou um gostinho de quero mais, e com certeza vou voltar, par fazer lagunas altiplânicas e ir até a Bolívia.

81

Foto: Até hoje um dos lugares preferidos que tive o privilégio de conhecer. Fodástico!!!

NÃO POSSO DEIXAR DE PROVAR:

Carne de Llama – Experimente, aqui é o lugar!!

 A viagem continua…

 Relato Anterior: Valparaíso.

 Próximo Relato: Viagem termina aqui.

Primeiro Relato da viagem: Santiago.

LIÇÕES APRENDIDAS:

1-      Ao escolher ir até o Atacama partindo do Brasil, analise se realmente vale a pena ir direto ou comprar passagem do Brasil para Santiago e depois de Santiago para lá, assim poderá conhecer um pouco a capital, pois comprando o voo Santigo – Calama com  empresas chilenas, você pode economizar até 40%.  Então sempre acesse os sites das companhias na versão chilena para verificar o preço das passagens.

2-      Faça passeios em menor altitude nos primeiros dias par dar tempo do organismo adaptar e depois vá para lugares como os Geyseres.

3-      O Atacama é um lugar muito turístico eu penso que é bom reservar a hospedagem com antecedência.

4-      Leve roupa para muito frio, principalmente se for visitar ois Geyseres, que por ficar a mais de 4.000 metros de altitude de manhã chega a ter temperaturas negativas.

5-      O Atacama é tudo super caro, dos passeios a comida. Eu pelo menos achei.

6-      Como fui sem pesquisar muito, perdi muita coisa no Atacama. O Atacama é o deserto mais árido do mundo, com isso o melhor lugar que existe para se observar o céu. Há agências que oferecem passeios noturnos para observação do céu, e penso que vale muito a pena fazer. Deve ser incrível. Não fiz, mas recomendo procurar saber.

7-   Outras informações de visto, vacina e moedas no primeiro post da viagem: Santiago, atalho logo acima.

8-  Leve roupa de banho e reserva, protetor solar, óculos, boné e vá de chinelo (lagunas), vale a pena, ao redor da Laguna Cejar, cuidado, pois o sal cristalizado corta os pés.

9-  Devido ser a proximidade ( 16 km da cidade) muita gente faz o vale da lua de bike. É mais barato, saudável e deve vale a pena. Fica a dica!

10- Muita gente aproveita a viagem para o Atacama e pega excursões que vão até o Salar do yuni, e da Bolívia continuam o mochilão. Caso queira viajar pelos dois países, esta é uma boa opção.

11- Não se preocupe com a programação, pode deixar para montar lá mesmo, há várias agências e você pode barganhar o preço.

  1. Que post maravilhoso! Quanta informação valiosa eu pude encontrar aqui! Parabéns amigo! Adorei!
    Obs: muito louco o machucado ter aberto por causa do frio…hahaha.
    Abração!

  2. Iris says:

    E adoro suas postagens. Agora estou me organizando para ir a Curitiba no fim de abril. Onde está o post? Em julho irei ao Chile. Vou acompanhar suas dicas.

    • Íris, morei 5 anos em Curitiba e não tenho post de lá acredita…
      Imperdoável né…
      mas pode perguntar que vou saber te dar várias dicas desta cidade que mora no meu coração.

Deixe uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estesHTMLtags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Language »