Pq Nacional Cavernas do Peruaçu – MG

INFORMAÇÕES DE: Outubro de 2016.

ROTEIRO PARA: 1 dias.

TIPO DE VIAGEM: Ecoturismo – Bate e volta de Januária.

HOSPEDAGEM:

Hotel Sesc em Januária (R$ 102,00/dia): Boa infra-estrutura.

SOBRE O PARQUE NACIONAL CAVERNAS DO PERUAÇU

O Parque Nacional Cavernas do Peruaçu é uma Unidade de conservação no norte de Minas Gerais criada em 1999 e aberto ao público no primeiro semestre de 2016, após a conclusão das obras do projeto turístico.

Este parque foi criado principalmente para proteger um valioso patrimônio geológico e arqueológico da região. O Parque possui uma área de 56,4 mil ha e abriga em seu território mais de 140 cavernas, 80 sítios arqueológicos e pinturas rupestres, que evidenciam a presença humana a 11 mil anos atrás.

Realmente este é um lugar especial que merecia um parque nacional por tamanha beleza e grandiosidade de suas cavernas, muitos conhecem ou querem conhecer o parque apenas pela Gruta do Janelão, mas quem for só por isso se engana, pois o Peruaçu tem muito mais coisa para se explorar.

Como chegar?

O Parque esta situado a 238 km, um pouco mais de 3 horas de viagem de Montes Claros, a maior cidade e com aeroporto no Norte de Minas Gerais. De Montes Claros seguir pela BR 135 sentido Januária. O Parque esta a aproximadamente 45 km de Januária, desta cidade pegar sentido Itacarambi e andar até o povoado de Fabião. Estes acessos são fáceis e as estradas pavimentadas e em boas condições até a sua sede.

Chegando em Fabião, dentro do povoado já é possível ver placas apontando a sede provisória do parque (CMbio), isso mesmo provisória, pois estão erguendo uma nova que em breve estará pronta.

Quando ir?

É possível visitação o ano todo.

Segurança

Capacetes nas cavernas são obrigatórios, e os guias nos emprestam.

Usar protetor solar.

ROTEIRO

Planejamento

Quando fomos para o Peruaçu havíamos combinado de sair de Januária com um guia, mas tivemos imprevistos e acabamos perdendo seu contato e como ele também não apareceu no ponto de encontro na hora marcada, ficamos na mão, então arriscamos e fomo sozinhos para a porta do parque para ver se conseguíamos entrar.

Chegando na sede, em Fabião, explicamos nossa situação para o guarda, quem entrou em contato com um dos guias cadastrados do parque e marcou de nos encontrar para negociarmos o passeio. O parque não cobra entrada, temos que pagar mesmo somente o preço do guia, que explico melhor nas notas no fim do relato.

Fechado o passeio, que foi melhor do que o que havíamos combinado com o guia anterior, fomos em direção ao parque. Da sede em Fabião até o nosso próximo ponto de parada andamos por 18 km de chão como carro em uma estrada que está bem ruim, digo ruim por causa da quantidade de pedras. Para compensar a lentidão e a estrada em péssimas condições somos pelo menos agraciados no caminho pela presença de vários mocós, mas vários mesmo, e eu como gosto de animais já fiquei bem animado com isso.

1

Foto: Até chegar a sede a estrada esta cheia de mocós.

Durante este trajeto, o guia nos parou para mostrar a  construção do novo centro de visitante que pelo jeito ficará bem linda. Dava gosto de ver o orgulho do Sr Santana em nos contar sobre a luta que foi para conseguir toda esta estrutura para o parque.

Fim do trajeto chegamos na entrada para a trilha da Gruta do Janelão, onde há uma casa com banheiros e uma torneira onde é possível pegar água mineral.

2

Foto: Chegada para entrada do caminho para a Gruta do Janelão. Aqui há banheiros, água potável e futuramente um restaurante.

1- Gruta do Janelão

 janelao

Até a entrada da gruta andamos por 600 metros por uma caminho na maior parte de madeira todo bem estruturado e tranquilo, e melhor, pela sombra das árvores. Neste trajeto a pé vemos mais mocós e é uma caminhada leve e bem agradável.

3

Foto: Inicio da trilha em um caminho de madeira bem estruturado.

4

Foto: Caminho bem estruturado o tempo todo.

5

Foto: Mais mocós. Vimos grupo de mais de 5 juntos. Tinham vários.

Antes de chegarmos no entrada da gruta, nas rochas externas há belas pinturas rupestres que vale a pena uma parada para observarmos.

6

Foto: Pinturas rupestres do lado de fora da Gruta do Janelão.

Quando chegamos na entrada da gruta, temos que descer e andar por 1,5 km dentro dela e pelo caminho vamos vendo belas esculturas naturais, e cada vez ficamos mais admirados pela beleza do lugar. Sem dúvida esta deve ser uma das mais belas cavernas do Brasil, e infelizmente pouco conhecia e divulgada.

7-1

Foto: Entrada da Gruta do Janelão.

7

Foto: A vista de dentro da gruta, ainda na entrada.

A maior parte da trilha é toda dentro da caverna, por tanto na sombra, só no começo temos que descer uns caminhos pelas pedras, mas nada complicado. Lá dentro escutamos barulho de várias aves, e o clima é bem agradável.

Vamos andando e escutando muitas explicações sobre o lugar, além de observar as formações em formato de cogumelos, tartarugas e etc…

8

Foto: Já dentro da Gruta. Há um curso d´água lá dentro, que esta cheio na maior parte do ano.

9

Foto: Esta formação em formato de cogumelos é chamada de Jardins do Éden.

10

Foto: A imensidão deste lugar incrível.

11

Foto: O Janelão!

12

Foto: Show de formações rochosas o tempo todo.

13

Foto: O reflexo da água dá um “tcham” na paisagem, não?

14

Foto: Que lugar incrível!!!! Sem dúvidas uma das cavernas mais belas no nosso país.

15

Foto: Nesta foto, com as pessoas lá longe podemos ver a imensidão que é este lugar.

16

Foto: Solidão! 

No final da trilha chegamos em uma enorme abertura, que dá o nome a gruta, e lá em cima podemos ver uma estalactite chamada de perna da bailarina, que é a maior do mundo constando segundo nosso guia até no Guiness Book.

17

Foto: O Janelão e no canto esquerdo a maior estalactite do mundo.

18

Foto: Um zoom na formação perna de bailarina, que consta no Guiness book. São 28 metros de comprimento.

Na volta nosso guia ainda nos levou em um lugar com formações bem deferentes no chão, e que não estavam levando turista ultimamente para preservar e parece que o nome era alguma coisa de pérolas, acabei esquecendo mais nas fotos vão entender.

19

Foto: Formações no chão da gruta. São décadas para formar essa maravilha.

20

Foto: Não parece um couve flor? rs…

21

Foto: O chão com muitas pedras arredondadas, esculpidas pelo tempo e a natureza. Muito lindo e interessante.

22

Foto: Turminha da aventura após o tour fantástico.

Após o janelão subimos na sede, chupamos manga que ganhamos do Sr Santana (rs) e fomos para a trilha da gruta do índio.

2- Gruta do Índio

indio

Para chegar nesta gruta a trilha é curta,  em torno de 600 metros, mas toda no sol, sem nenhuma sombra e em uma subida, não muito íngreme, mas subida, o que é um pouco sofrido para fazer.

Esta gruta é bem pequena, mas há aqui pinturas rupestres belíssimas, que faz valer a pena a caminhada, até por que esta no caminho da Gruta Bonita, ou seja, dá para fazer as duas em uma única vez.

23

Foto: A Gruta do Índio é pequena, e nem chegamos a entrar nela, pois não há acesso.

24

Foto: As mais belas pinturas do Peruaçu estão aqui.

25

Foto: Pinturas para todo lado. Estimam que estas pinturas são se 11 mil anos atrás.

26

Foto: Detalhes. Não parece um coração???

3- Gruta Bonita.

bonita

OBS: Esta tabela é em referencia ao caminho total para a Gruta Bonita.

Próxima a Gruta do Índio está a Gruta Bonita. Para chegar até ela precisamos andar apenas mais 500 metros, só que na sombra agora.

A Gruta Bonita é espetacular, tanto que fiquei na dúvida se gostei mais dela ou do Janelão, apesar que ao mesmo tempo são incomparáveis, pois tem belezas totalmente diferentes.

Conhecer esta gruta só é possível com uma lanterna, pois lá dentro é uma escuridão total.

O Guia tinha algumas lanternas que nos disponibilizou, mas acabamos usando também nossos celulares.

Nestas Grutas há todos os tipos de Formação: Estalactites, estalagmites, colunas e entre outras. A beleza aqui esta principalmente em que muita das rochas são brancas e brilhosas.

27

Foto: Entrada da Gruta Bonita, a fundo podemos observar o caminho que dá acesso a gruta. Consegue ver??

28

Foto: Pronto para a próxima descoberta.

29

Foto: A vista de dentro da gruta.

30

Foto: O passeio começa aqui, sim naquele buraquinho.

31

Foto: Santana explicando tudo para nós.

32

Foto: já dentro da gruta.

33

Foto: A beleza do lugar e suas cores.

O ponto máximo do tour foi quando nosso guia já no meio da gruta pediu para desligarmos todas as luzes e permanecer em silêncio. Ficamos num breu total, não dava para ver nada, pensei: “se acaba luz, quero ver quem sai daqui…rs”, e no meio de toda aquela escuridão, descobri o sentido do termo um silencia estarrecedor.

34-1

Foto: Só nós e as luzes das lanternas.

34

Foto: Há muitas e enormes estalactites.

35

Foto: Mais formações, mas agora no chão chamada de estalagmites. Elas se formam, pois a água saturada em Bicarbonato de Cálcio ao cair deposita cristais de Calcite, fazendo crescer estas formações de baixo para cima.

36

Foto: Nesta foto podemos observar uma enorme coluna, que é quando junta a estalactite (teto) com a estalagmite (chão).

37-1

Foto: Estalactite aos montes. As estalactites formam-se pois a água saturada em Bicarbonato de Cálcio escorre, deixando cristais de Calcite e fazendo crescer estas formações de cima para baixo.

37

Foto: Outra coluna.

38

Foto: Esta formação é linda. Branca e brilhosa, e chama véu da noiva.

39

Foto: Salão vermelho. Nosso acesso vai só até aqui, mas há muito mais gruta para o fundo, e segundo Santana as mais belas e interessantes formações estão lá. Não há previsão e nem projeto para abir ao público.

40

Foto: Esta formação é rara e muito interessante. Não me lembro o nome, mas são finas e cresce em vários sentidos e aqui na Gruta Bonita tem várias delas.

41

Foto: mais das formações que não lembro o nome, e se algum souber e quiser deixar nos comentários agradeço.

42

Foto: Fim e mais um lugar incrível do nosso país desbravado.

Não saia deste parque sem conhecer este lugar!

A viagem continua…

 Relato Anterior: Januária.

 Próximo Relato: Roteiro termina aqui.

Lições aprendidas:

1-     As trilhas do parque só podem ser feitas guiadas.

2-   Regra do parque: 1 Guia para cada 8 pessoas.

3-   Os guias cobram por trilha: O Janelão é R$ 100 / Até 8 pessoas, Janelão com outras grutas que fiz pode chegar a R$ 120,00.

4-   Telefone para contato no parque : (38) 3623-1038.

5-   Caso contrate um guia exija conhecer mais coisas, muitos só fazem o Janelão dizendo que não dá tempo de fazer outras no dia, pois combinam o tour com outros grupos, então feche um tour para conhecer pelo menos estas três grutas como fizemos que dá tempo tranquilo. Em 4 horas faz tudo isso.

7-   Há também mais trilhas para serem feitas no parque, se eu soubesse teria ido para ficar um fim de semana inteiro. Por isso recomendo a quem for conhecer o parque pousar mais próximo e fazer dois dias de visita.

8-   Na nova estrutura que em breve será inaugurada terão centros de apoio ao turista com lanchonetes e etc… Esta ficando top o lugar.

9-   Se for fazer a Gruta Bonita leve uma boa lanterna para aproveitar melhor.

Quem pode te ajudar?

Sr Santana – Guia em Peruaçu: Um senhor bem simpático e o mais antigo guia do parque. Este sr  ajudou em muitas expedições de pesquisadores e até equipes de TV e conhece cada centímetro e cada história do Peruaçu.

Seus contatos: Fixo (38) 2623 1010 – (38) 99827 4278 – Se usou o site, por gentileza, informar a ele de onde pegou o contato.

 

 

 

 

  1. Lindas grutas,vale a pena conhecer,muito interessante ,até as formações das rochas são diferentes ,da maioria das cavernas de outras regiões .
    Observar natureza aprender a vida terrestre,coisa do Criador vale muito a pena!!!
    Parabéns rapaz!!!

  2. Carlos Leonardo says:

    Ótimo o post, mas precisa de correção na informação apenas um dia para visitar o parque.
    Eh preciso No mínimo 2 dias para visitar os 3 nucleos com infraestrutura turistica, mas tem varios outros roteiros menos turistão e mais aventura que seriam necessários mais uns 2 dias, pelo menos. Total de 4 dias.

    • Ahhh… Correto Carlos! Obrigado pelo complemento.
      Um dia foi o que fiz, e devia realmente ter escrito melhor esta parte, pois tinha muita coisa ainda a se fazer.
      Valeu por acrescentar essa informação para os próximos leitores.
      Abraço.

  3. Julio Castro says:

    Show o Seu Relato irei visitar o PARNA no prox Ano …Vou utilizar o seu relato para Visitar em 1 dia Janelão, Índio e Bonita . Obrigado!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estesHTMLtags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Language »