São Tomé e Príncipe - O paraíso do leve leve

Ahhh São Tomé e Príncipe…

O arquipélago de São Tomé e Príncipe tem pouco mais de mil quilômetros quadrados, localizado no oceano Atlântico, a cerca de 300 quilômetros da costa ocidental da África. A ilha principal foi descoberta em 1470 pelos portugueses que explorou na colônia produtos como cana de açúcar, café e cacau, utilizando a mão de obra escrava trazida da Angola, Cabo Verde, outras localidades do continente africano e também do Brasil.  Somente em 1975 o país conquistou a independência e aboliu a escravatura (cartorialmente a escravidão foi abolida em 1875, mas os trabalhos forçados continuaram por mais um século).Hoje tem cerca de 200 mil habitantes oriundos dos descendentes dos povos escravizados e dos colonos europeus, sobretudo os portugueses.

Contudo, todas essas informações se pode encontrar na internet sem muita dificuldade, o que quero falar é como esse país me tocou e porque foi o destino escolhido para minha lua de mel, em detrimento de locais mais famosos como Ilhas Maldivas, Caribe ou Ilhas Maurício.

Pela minha experiência, que te dar 10 motivos para escolher como destino este paraíso (poderiam ser muito mais, mas não quero ser exaustiva):

Vamos lá…

1 – O lema desse paraíso insular é leve leve, expressão usada todo o tempo pelos santomenses e traduz a leveza e tranquilidade com que conduzem a vida e que você percebe logo ao chegar.

2 – No arquipélago a natureza se mantém praticamente intocada desde descobrimento, principalmente na ilha de Príncipe, que se pode observar uma vegetação tropical praticamente virgem.

3 – As praias em geral tem areia dourada e águas extremamente transparentes e quentes que alternam de cor entre o azul turquesa e o verde esmeralda. Falando em quente, o arquipélago está situado na linha imaginaria do equador, o que garante um clima abrasador todo o ano.

4 – É um segredo bem guardado, e justamente por não ser um destino turístico ainda famoso, todos os lugares são praticamente exclusivos, os hotéis hospedam em média 3 ou 4 casais ao mesmo tempo, bem como os restaurantes preparam muitas das vezes somente o seu prato. Isso tudo garante um tratamento ainda mais personalizado e cuidadoso e não necessariamente representa um preço alto, tendo em vista que a ilha não é um destino caro. É bem provável que em muitas das praias que for vai estar sozinho e principalmente se estiver com seu amor isso é uma ótima pedida.

5 – Quase a totalidade da população fala português, o que é ótimo porque além de facilitar o turismo para nós lusófonos, permite que realmente se interaja com os locais e os conheça mais profundamente.

6 – A segurança do arquipélago. Enquanto nós, brasileiros, nos pautamos pelo principio da desconfiança os santomenses se regem com base na confiança. A criminalidade no país é baixíssima e pode andar nas ruas com tranquilidade. Para ser sincera, isso até causa certa estranheza no inicio. As pessoas alugam carro sem você assinar sequer um único documento, pode-se deixar suas coisas na praia e ir nadar sem a preocupação de ser furtado. Só para exemplificar, perdemos uma câmara fotográfica e um celular e ambos foram devolvidos.

7 – A culinária! Praticamente todos os produtos consumidos no país são oriundos do próprio arquipélago, logo, se come alimentos frescos, orgânicos e se tem acesso a uma variedade muito grande de peixes e frutos do mar.

8 – As famílias chegam a ter até 15 filhos por casal, todo mundo em São Tome tem filhos, tem até uma expressão para quem não tem: “coco seco”. E porque isso é uma vantagem? Simplesmente porque a criançada deixa os passeios muito mais divertidos, as crianças são criadas livres e adoram interagir com os turistas. Se passar de carro com certeza vão te pedir “boleia” (carona), mesmo que esteja indo na direção contrario, só para elas passearem de carro.

9 – Algo especialmente relevante é simpatia e gentileza das pessoas, todos te tratam muito bem, fazem de tudo para te ajudar e te deixar o mais confortável possível. Só para se ter ideia, conhecemos um pescador em passeio de barco na hora do almoço e poucas horas depois estávamos jantando na sua casa e indo para a “balada” com ele e sua família (isso numa vila de pescadores de cerca de 150 habitantes).

10 – Enfim, São Tomé, tem que ver para crer, porque as palavras são insuficientes para relatar a beleza e a pureza desse paraíso leve leve.

Agora seguem algumas dicas para se dar ainda melhor nesse paraíso:

  • Leve euro e troque assim que chegar, mesmo os lugares que aceitam moeda estrangeira o preço é melhor na moeda local, a dobra. Ainda sobre a moeda o dólar é pouco aceito e praticamente nenhum lugar aceita cartão de credito, então não conte com ele.
  • Definitivamente visite a ilha de Príncipe. Duas companhias aéreas cobrem o trecho, a mais famosa é a STP AirWays (https://www.stpairways.st), mas também existem uma mais barata, African’s Connection (http://africasconnection.net).
  • Alugue um 4×4 é descubra as ilhas como um todo, as pessoas vão falar que as estradas são ruins e que é impossível dirigir lá sem um motorista local, realmente alguns trechos são complicados, principalmente quando chove, mas com um carro com tração nas 4 rodas é possível e divertido dirigir em São Tomé.
  • Sugestão de hospedagem no sul de São Tomé: Jalé Ecolodge e em Príncipe: Makaira Lodge.
  • No portal de Migração e Fronteira de São Tomé (http://www.smf.st) a informação oficial é que precisamos solicitar visto, mas ao entrar no país o documento não é exigido. Minha sugestão é solicitar o documento on line – super simples – e se exigido na entrada faz o pagamento na hora, valor de 20 euros.
  • Leve tudo que você precisar na sua mala(shampoo, protetor solar, filme para câmera, roupa de banho, remédios…) não espere para comprar lá, o arquipélago não tem shoppings centers, supermercados, etc., somente pequenos mercados e mesmo assim sem muita variedade e com alto preço para coisas importadas.
  • Se for pela empresa aérea TAAG terá uma longa escala em Luanda, Angola. Nesse país existe a exigência de visto, a informação é difícil de ser encontrada, mas o visto pode ser solicitado pela internet e pago presencialmente no aeroporto e permite a duas entradas no país, verificar no site http://www.smevisa.gov.ao.
  • De um ponto de vista climático a melhor época para visitar São Tomé e Príncipe é a estação seca, entre junho e setembro, com menos humidade e menos insetos, entretanto, se arriscar ir na época chuvosa vai perceber que a chuva é quente e gostosa e quando não está chovendo o céu é luxuosamente azul.
  • Não compre artesanato oriundo da carcaça de tartarugas.
  • Se for fazer doações para as crianças opte por material escolar, roupas e artigos de higiene pessoal, como escova de dente e creme dental. Elas provavelmente vão pedir doces, mas a saúde bucal não é o forte da ilha, então melhor não piorarmos. Outra dica, faca a doação para um ancião da região ou para alguma instituição, eles vão distribuir com mais equidade.
  • Um milionário sul-africano “descobriu” esse paraíso e apaixonou por lá. Ele comprou os principais hotéis e resorts do país, ganhou a concessão de exploração de diversas ex-roças portuguesas e esta construindo, o que ele planeja ser, o maior destino de ecoturismo do mundo. Então se aprece, é possível que São Tomé se torne em breve um destino mais caro.
  • Vá de coração aberto, alma leve e aproveite esse paraíso em toda sua potencialidade.

Texto por Mara Telma e Natan Marra, casal mineiro super simático, que decidiu por São Tomé como destino de lua de mel.

Gostou? Que tal deixar um comentário?

Siga-nos
0
Language »