Parque Nacional Marinho de Abrolhos – BA

Realmente “ABRA OS OLHOS”, e os deixem bem abertos para gravar na sua memória cada imagem deste belo arquipélago baiano, que além de uma beleza sem igual, tem uma importância fundamental para a preservação de várias espécies da nossa fauna, entre elas a maior de todas: as magníficas baleias.

INFORMAÇÕES DE: Fotos e fatos de julho de 2008, demais informações do post atualizadas em 2018.

ROTEIRO PARA: 1 dia.

TIPO DE VIAGEM: Bate e Volta.

HOSPEDAGEM: Na época morava em Mucuri, e fiz um bate e volta,  mas para quem deseja visitar e precisa pernoitar, eu indico se hospedar em Caravelas – BA.

Consulte e reserve sua estadia pelo BOOKING.COM nos atalhos do blog, estas reservas viram pequenas comissões, VOCÊ NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO, e estará ajudando o Blog a se manter no ar, monetizando nosso trabalho e rendendo ótimas dicas para você.

SOBRE O PARQUE NACIONAL MARINHO DE ABROLHOS

Antigas cartas náuticas já alertavam os navegantes que se aproximavam do litoral baiano com a advertência: “ABRA OS OLHOS”, e mesmo com algumas divergências, esta é a teoria mais aceita para o nome do arquipélago, cujo a frase que o nomeou, alertavam os barcos sobre a presença de recifes próximos à superfície, que poderiam causar danos aos navios.

De um jeito “minerim”, assim digamos, de tanto falar “abra os olhos, abra os olhos”, acabou abreviando o termo para o nome do arquipélago: Abrolhos (rs).

Um lugar de importância sem igual para preservação de várias espécies e ponto de encontro para reprodução de baleias, o Parque Nacional Marinho de Abrolhos, há aproximadamente 70 km da costa baiana, foi considerado desde 1983 um Parque Nacional e é hoje uma unidade de conservação extremamente protegida e que felizmente podemos visitar.

O belo arquipélago é formado por cinco ilhas (Siriba, Sueste, Guarita, Santa Bárbara e Redonda) dispostas de forma circular, mostrando os traços de suas origens, que é uma borda de algo que um dia foi uma cratera vulcânica. Interessante, não? E mais interessante ainda são as paisagens de tirar o fôlego e a intocada natureza que te espera aqui…

Como chegar?

Você pode chegar ao arquipélago por duas cidades:

  1. Nova Viçosa – BA: Próxima a Mucuri, divisa com ES, Nova Viçosa também faz saídas para o parque, mas a viagem dura em torno de 4 horas, e visto que é feita em pequenos barcos e com muito sacolejo (Catamarãs), quem é propicio a passar mal, este tempo a mais é torturante. Eu mesmo estando bem próximo a Nova Viçosa na época, preferi me deslocar até Caravelas para pegar o barco. E não arrependo.
  2. Caravelas – BA: É a cidade mais procurada para os passeios. Para chegar até a cidade de Caravelas, você deve seguir pela BR 101 até a cidade de Teixeira de Freitas (também aeroporto mais próximo), e no trevo pegar a BA-290, rumo a Alcobaça, onde no trevo você deve pegar a direita pela BA-001 até a cidade de Caravelas.

Observações Importante:

  • O trajeto de barco de Caravelas leva em torno de 3 horas – 1 hora a menos que Nova Viçosa.
  • Caravelas tem mais opções de agências e melhor estrutura para o passeio.

Distância até Caravelas de algumas cidades importantes:

  • Teixeira de Freitas – BA: 98 km;
  •  Porto Seguro – BA: 280 Km;
  • Vitória – ES: 404 km.

Em Caravelas ou Nova Viçosa se assim preferir, você deve procurar uma agência de viagem que faz a travessia de barco, importante ligar e reservar com antecedência. Este não é o tipo de passeio que se fecha no dia, pois precisam de um mínimo de pessoas e autorização.

Portanto Pleneje-se!

Mapa – Localização Nova Viçosa e Caravelas – BA.

Quando ir?

Abrolhos pode ser visitado o ano todo, mas a grande temporada ocorre nos meses de julho a novembro, devido ser a época de reprodução das baleias. Onde a região se torna um santuário para a reprodução, nascimento e amamentação das Jubartes.

Segurança

Apesar de ser uma viagem tranquila, temos que seguir algumas recomendações. Entre ela:

  • Não andar fora das trilhas na parte da ilha, para não estressar as aves.
  • Não tocar os pés no chão ao mergulhar.
  • É recomendável uma alimentação saudável e leve no dia anterior ao embarque.

Ahhh… e se você costuma passar mal, leve um Dramim, a viagem dá muito enjoo, para aqueles não acostumados com o mar.

ROTEIRO

Há meses morando na Bahia e ainda não conhecia “Abrolhos”, quase quintal da minha nova cidade, como assim??

Tinha que resolver isso…

Aproveite a visita de uns amigos, juntei um grupo, entrei em contato com uma empresa e pimba!! Sábado já estava fechado nosso passeio rumo a este paraíso.

Era começo de julho, início das temporadas das baleias no extremo sul da Bahia, a chance de vê-las era pequena devido estar começando a imigração, mas mesmo assim, não tinha outra data, seria aquela mesmo…

A viagem de barco até o Arquipélogo começa cedo, e escolhi ir por Caravelas. As agências marcam sempre em torno das 7h00 – 8h00 da manhã, nunca mais que isso, e devemos ser pontuais sempre.

Os catamarãs, barcos que nos levam até o arquipélago, geralmente são pequenos, e não vão com muitas pessoas, creio que em torno de 20 – 30 (chutei). Vamos acomodados sentados, mas com possibilidade de nos movimentar sempre que precisamos.

Foto: Catamarã – Os barcos que te levam até Abrolhos.

Foto: Amigos… partindo no início da manhã para o longo trajeto de 3 horas.

Geralmente nestes passeios há incluso: Lanches, frutas e água.

Tudo arrumado, partimos, mal começou a viagem e eu já “sismei” de passar mal, estômago revirando, ruim e assim foi… no dia não só eu passou mal, algumas outras pessoas também foram pegas de surpresa, e ainda aconteceu algo bem “nojento”, um dos passageiros, que não era do meus grupo de amigos, vomitou contra o vento e o vento esparramou tudo nos equipamentos de mergulho (eca!!!!). Vendo aquela cena, e que nada podia ser feito, já separei o meu equipamento limpinho, avisei os mais próximos e deixei tudo separadinho até chegar a hora de mergulhar… rs.

Enjoado e não vendo a hora de chegar, para aliviar meu mal estar em terra firme, de repente surge o que mais esperávamos. Lembro que no dia até comentei que eu não estava tão preocupado em ver baleia, mas depois descobri que eu mentia a mim mesmo….

A PRIMEIRA EMOÇÃO…

Descobri que ver uma beleia é muuuuito emocionante.

Sério, quando avistei aquele dorso enorme bem próximo ao barco, aquela cauda, as nadadeiras, as graças que faziam eu entrei em transe.. foi fantástico.

Foto: O barco passa pertinho delas… e o medo de saltarem sobre ele…rs. 

Foto: A cauda. A todo momento esperamos alguma parte para fora para admirar…

Foto: A rainha dos mares e seu filhote. Que animal fantástico.

Foto: Direito a tchau…

Vídeo: Momento Baleias em Abrolhos.

 

Rápida foi sua passagem e pra nós muita sorte, pois como ainda era inicio de julho a possibilidade de vê-las era pequena, mas conseguimos. Dia ganho!!!

Deslumbrado com a pausa no meio da viagem seguimos…

Em torno das 11h00 começamos a ver o arquipélago, e a imagem já é linda. Cheio de aves voando, aquele mar azul, não tem cenário melhor para sermos recebidos e me senti em um globo repórter… rs.

Foto: Começando a nos aproximar.

A SEGUNDA EMOÇÃO…

Quando chegamos somos conduzidos para um desembarque na ilha Siriba, onde observaremos as aves que ali habitam e seus ninhais.

Foto: As cores de Abrolhos ao se aproximar da terra firme.

Foto: Barquinho vindo nos buscar para andar em terra firme.

Partimos do Catamarã com um pequeno bote até a terra firma, e de lá fazemos uma trilha com um dos funcionários do parque, que nos explica sobre as aves, recifes da região e a importância do arquipélago e sua preservação..uma aula 10!!

Foto: Fazendo a trilha para conhecer a biologia das aves que aqui habitam.

Foto: Um Atobá chocando.

Foto: Mesmo sendo tentadores e com cara de simpáticos, não podemos alimentá-los e nem acariciá-los , combinado?

Foto: Nesta época do ano haviam casais chocando e com filhotes.

Foto: Um Atobá com filhote.

Foto: Uma Grazina chocando, uma das outras espécies que aqui habitam.

Depois de uma caminhada guiada, todos retornam ao barco para dar início às atividades subaquáticas: mergulho livre ou mergulho autônomo guiado (pago a parte), fica a seu critério.

A TERCEIRA EMOÇÃO…

Vamos lá então ver o que temos embaixo da água.

Pena que na época não tinha máquina para registrar melhor estas lembranças, que estão mesmo só na memória.

Foto: Paisagem em frente a ilha Siriba.

Foto: Alguns peixes bois brancos…rs.

Depois do primeiro mergulho de snorkell em frente a ilha Siriba vamos para uma parte mais profunda, atrás da ilha, ainda fazer snorkell, mas onde as pessoas que querem fazer scuba dive (o mergulho mais profundo) tem esta possibilidade e enquanto esperamos podemos mergulhar por nós mesmo.

Aqui encontramos o símbolo do Arquipélago, um farol de 22 metros pintado com faixas horizontais em preto e branco. Este farol fica no ponto mais alto da ilha de Santa Bárbara, que também é a maior do arquipélago e a única habitada, pois é aqui que fica a administração da ilha que é feita pela Marinha do Brasil.

Foto: Farol na ilha de Santa Bárbara, a única habitada. As casinhas não são hotéis não viu… rs.

Foto: Farol, símbolo da ilha com 22 metros de altura.

O passeio é bem curto, mas intenso, e ficamos a maior parte do tempo em deslocamento. Na volta não vimos nenhuma baleia, mas em compensação um por do sol de tirar o fôlego no meio do atlântico, pena que eu ainda não sabia tirar fotos melhores…

Saímos da ilha em torno das 14h00 – 14h30 e às 18h00 estávamos já em Caravelas, prontos para voltar para casa, com mais uma memória de mundo incrível.

E DAÍ, QUANTO FICOU A BRINCADEIRA??

Orçamento para o dia: R$ 350,00 – R$ 500,00.

  • Bate e Volta: R$ 250,00 – R4 300,00.
  • Hotel Casal  na região – Custo médio: R$ 100,00 a R$ 200,00.

Desconsiderando gastos com deslocamento.

LIÇÕES APRENDIDAS.

1- Atenção: sempre comparecer para o embarque com 30 minutos de antecedência.

2- Caso queiram levar bebida alcoolica, ou outras coisas para comer e beber na viagem, é necessário pedir autorização da empresa, pois há proibições e limites de pesos.

3- Inventei no dia de levar cerveja, foi muita besteira. Passei mal com o balanço do mar, praticamente não bebi, e só levei a cerveja para passear e carreguei peso. Portanto este dia esquece da loira e se divirta só com a natureza mesmo – meu conselho.

3- Geralmente estão inclusos nos passeios: Confiram na agência:

  • Frutas, água mineral, sucos, almoço frio com saladas e sanduíches, pães, biscoitos e lanche quente durante o percurso de volta.
  • Equipamento para mergulho livre (máscara, snorkel e nadadeiras).
  • Guia de bordo e de mergulho livre.
  • Seguro viagem.

4- Para quem quer aproveitar ainda mais, há opções de passeios de até 3 dias pelo arquipélogo. Penso que vale a pena, se não for desconfortável para a pessoa o balanço do mar. Confiram os pacotes oferecidos.

OUTRAS INFORMAÇÕES ÚTEIS.

Fuso Horário: Segue o horário de Brasília.

Voltagem na região: 220 V.

A VIAGEM CONTINUA…

Que tal dar olhada nestes outros destinos na Terra da Alegria: Roteiros do Quero Mochilar na Bahia.

Gostou? Compartilhe! Tem alguma sugestão ou atualização de informação? Enriqueça a pesquisa de seus amigos nos comentários. Além de ajudar o próximo viajante é super importante a opinião de vocês para o blog.

QUEM PODE TE AJUDAR?

Vou deixar um atalho para pesquisarem mais informações aqui: http://www.abrolhos.net/abrolhos/catamara.htm

 Vai viajar? Planeje toda sua viagem com o Quero Mochilar!

O Quero Mochilar tem te ajudado com dicas e roteiros para o seu planejamento? Então que tal nos ajudar sem pagar nada a mais por isso, simplesmente fechando sua viagem com os serviços oferecidos pelas parceiras do Blog.

GARANTA AQUI

SEGURO VIAGEM – HOSPEDAGEM – ALUGUEL DE CARRO – TOURS NACIONAIS E INTERNACIONAIS – CHIP DE CELULAR – PASSAGENS AÉREAS – RESERVAS

Além de garantir sua programação com segurança, você estará ajudando a manter o site no ar cheio de dicas para você, sem gastar nada a mais por isso.

 

Siga-nos
0

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Language »